Análise do filme Animais Fantásticos e Onde Habitam

Animais Fantáticos e Onde Habitam é o filme mais maduro do universo de Harry Potter. O clima juvenil de Hogwarts foi substituído pela atmosfera de Nova York. A história começa quando Newt Scamander, interpretado por Eddie Redmayne, chega aos Estados Unidos. O jovem é um bruxo inglês que estuda todos os tipos de criaturas. Em um incidente, a mala, onde ele guardava os animais, é aberta e alguns fogem. Uma confusão toma conta da cidade e Newt acaba responsabilizado por ataques de uma criatura misteriosa.

O filme reproduz a história do tratador que conhece, protege e compartilha experiências com os animais que cuida. Para criar esse ambiente, o diretor David Yattes elaborou cenas mais delicadas, que, até então, não tinham sido feitas para o universo de Harry Potter. Tecnicamente, há um equilíbrio entre roteiro, som e efeitos visuais – nenhum se sobrepõe ao outro.

Em um momento, Newt é preso por uma agência mágica responsável por monitorar atividades que possam colocar em risco o mundo dos bruxos. Isso lembra, e muito, o filme Homens de Preto. Esse, talvez, seja o maior erro de Animais Fantásticos: recorrer a uma história de mercado, mal construída para criar o pano de fundo da trama. Até os bastões que os agentes da MIB usam para apagar a memória foram reproduzidos em palavras e gestos mágicos feitos pelos bruxos com as varinhas. E não é só isso. Com todo o frisson que o jogo Pokemon Go provocou, é possível prever uma versão similar para Animais Fantásticos e Onde Habitam.

O desempenho dos atores é satisfatório, sem grandes destaques. Eddie Redmayne atua, como sempre, fazendo papel dele mesmo. O aspecto cômico fica por conta de Dan Folger, que interpreta o simpático senhor Kowalski. Ele é um não-maj, um “trouxa” como dizem os bruxos americanos. Mesmo assim, ele se embrenha na caçada pelos animais e vive um romance com Queenie, personagem de Alison Sudol. Quando o calor da história começa a desaparecer, o casal é quem deixa o filme mais interessante de novo.

Animais Fantásticos indicam que o universo de Harry Potter não acaba em Relíquias da Morte, nem mesmo em a Criança Amaldiçoada. A indústria vai dar aos fãs muitas outras histórias, livros, filmes e contos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *